sexta-feira, 27 de março de 2009

Starless Sky (yet it feels like home)

O menino não pode ver nenhuma estela nessa noite nublada e fria. Nessa noite em sua alma. Ele sabe que elas estão lá, mas ele perde o norte e se sente desamparado, posto que ele pensa que elas igualmente não podem olhar por ele.

Ele não enxerga o caminho e não sabe por onde começar. Só escuta os murmúrios da noite. Sons que viram formas disformes na sua cabeça. Seus pensamentos lagarticham, pois, em perigo, desembestam para o infinito deixando apenas o rabo.

O menino se lembra de surpresa, da descoberta e percebe que falou. Pobre menino! Ele tateia no escuro por um rosto que nunca esteve La, nem nunca vai estar. Ele se acalma e ri.

Mas o menino vê dois vaga-lumes dançando na noite. Eles se aproximam e se repelem, numa dança silenciosa. O brilho dos insetinhos o lembra dos olhos dele. Sua imagem, seu sorriso franco e sua boca luxuriosa. Aquele que foi de verdade.

O menino respira fundo. Planta uma lágrima na palma da mão e ela vira um gênio, rodopiando, curioso, sem limites, se dissipa.

Ele sabe que o que é solido desmancha no ar, e o que está no ar vira pensamento e poesia. O menino, então, vibra e se derrete. Ele sorrindo, futuriza, na torcida que seu futuro seja o delicioso e completo fracasso de seu presente.

7 comentários:

  1. Que texto mais esquisito. Vou ser obrigado a te ligar pra perguntar what the hell is that?...

    Na parte em que faz algum sentido p/ mim, surge uma dúvida meio básica: o sintagma "de seu presente", do último parágrafo, é um complemento nominal ou um adjunto adnominal? :P

    Pode ser que a ambiguidade seja deliberada. Mas responda sem fazer charminho.


    Bjo!
    Danilo.

    ResponderExcluir
  2. hummmmm os personagens solitários (seus embates, entraves e cavalos de tróia) uma constante nos teus textos...

    =)

    ResponderExcluir
  3. Hey kid,
    I hope you found the north again, feel supported, and can see the shine of the stars again..soon.
    You know that.And you know that I know that Your future,will be full of stars, full of shine.
    kiss.

    ResponderExcluir
  4. Tudo que é sólido desmancha no ar. Marx tinha razão, mas ele esqueceu de acrescentar que os vaga-lumes só duram uma noite e a felicidade também. Seu poema me fezconcluir que tudo que é líquido e imaterial e 'isólido' também desmancha no ar...

    ResponderExcluir
  5. o fracasso do meu presente.
    você também precisa de reação química.

    ResponderExcluir
  6. ahhhh

    ainda acredito que vc precise de reação química.

    ResponderExcluir