sábado, 1 de maio de 2010

Cap. 5 -Interlúdi* Fil*s*fic*

As luzes da cidade não chamam mais meu nome.
Ando pra casa num sábado à noite,
E os sambas dos botecos não falam das minhas dores
Nem as cervejas dos bares cult secam minha sede.
O estrobo pisca mas não me faz pestanejar.
O barulho ensurdecedor das últimas baladas
Não me fazem ouvir o zumbido no silêncio do meu quarto.
O riso da plateia desconfortada ecoa.
As maldades que escondem medo e a inabilidade de sair da posição
do algoz.
Não, não sou agente duplo. Acho que nem sou a gente.


O menino se contorce no quarto escuro.
Ele deveria ter comprado a lâmpada que substituiria
providencialmente aquela que queimou.
a ideia foi forte demais.
Mas o menino está negligente. Não escreve aos amigos, não visita a família.
Ele só sabe que o amanhã é prosa, e que o riberão secou. O tra-lá-lá-lá la ô.


As filosofias escorrem como mijo na calçada,
Passam como luzes dos faróis dos carros.
Passa a dialética, passa a imagética, passa o hedonismo.
Talvez esta seja a hora e a vez.
Mas vou fingir que não é.
Se for, desculpe, não vou te contar.

O menino se pergunta onde foram parar os princípios.
A loucura toma conta das suas páginas.
Uma loucura de achar um lugar melhor.
Ele sabe que é hora de arregaçar as mangas,
arregaçar a filosofia.
O menino dança nas brasas do relógio e o ponteiro dos minutos
Parece que vai decapitá-lo.
Mas ele é brasa-mora, é cool, é style.


Receita da salvação:
meia lata de atum, azeite, 1 banana, farofa pronta, alho picado, sal, pimenta do reino e orágano a gosto, 1/4 de pacote de queijo ralado. Alcaparras para enfeitar.

O menino joga o atum na panela e frita no azeite.
Põe a banana e quando está desmanchando, coloca a farofa pra dar uma liga. Mexe e remexe, bota os temperos, deixa o alho pro final e por fim, ele coloca o queijo ralado.
O menino quase chora ao sentir o cheiro do queijo queimando e grudando no fundo da panela. Desliga o fogo e coloca uma meia dúzia de alcaparras.
Ele olha a sua obra e sente que vai comer a sua vida nonsense.
Que aquilo vai ter o gosto da morte, ou melhor, o desgosto da vida.
Mas ao seu paladar faminto, a iguaria não deixa a desejar.

O absurdo se dissolve em refeição. A fome continua, mas a sabedoria vem.
A despeito.
O passado ressurge, regurgitando pedaços mal digeridos.
Eis a indigestão.
Eis de novo a dialética. (E viva ao rei da Bélgica!)

O menino se despede de seus amigos. è a última vez que eles o verão.
Ele sabe, não a última vez de fato, mas a última vez assim.
Na próxima, eles verão outro. A negação que vai se negar e vai virar si mesmo ao se negar de novo, no futuro do futuro.
A baiana roda o menino.
Mas ele não entende esse hiperbato.
O menino se cansa de falar difícil.
Não, nao. Ele se cansa de falar e ponto.

Mas a vida é dois pontos.

PS - o menino sabe que não se deve colocar PS num poema.
carta é missiva, poesia é remissiva.
Ele sabe que não é porra de poeta nenhum. Mas ele quer mais é que as críticas se fodam.
E a poesia também.

7 comentários:

  1. I appreciate your PO very much the picture with the article. Continues to refuel!!

    ResponderExcluir
  2. Bravo!!
    Aplausos pro menino.Ele faz por merecer.

    ResponderExcluir
  3. Gostei do que escreve, te ofereço uma canção como troca.

    http://roderrock.blogspot.com/2010/05/mara-refletir-canta-shai-gabso.html


    Sucesso!

    ResponderExcluir
  4. I'm appreciate your writing skill.Please keep on working hard.^^

    ResponderExcluir
  5. Eu já li algumas vezes, e cada hora me desperta um sentimento diferente. Gosto da confusão, dos muitos sentidos... a vida, realmente, é dois pontos. Muito bom.

    ResponderExcluir